Google+ Followers

segunda-feira, 31 de outubro de 2016












Passarinhos pipilando
Festejam a alvorada
Vê-se além um boi pastando
Junto à curva da estrada

Ouve-se ao longe o chiado
De um velho carro de boi
Lembrança de um tempo passado
De um tempo que se foi...

Bem pertinho da estrada
Uma casa de sapé
Soltando uma fumarada...
Já estão coando o café



sábado, 29 de outubro de 2016

Quando abro a minha janela vejo meu lindo jardim
vejo as rosas se abrindo os cravos e jasmim
 Beija flores e borboletas multi cores
Passarinhos voa sempre de mansinho
em frente o jardim da minha casinha.
Vejo o nascer e por do sol
vento e chuva  caído em compasso
E pra completar o cenário as lindas montanhas verdes claro
tudo isso em frente o jardim da minha casa é claro.


É noite. Junto à mesa, à luz do lampião
Sinhá moça vai tecendo o seu crochê
Na doçura do lar, à hora do serão
Sinhazinha a medro abre um livro e lê

A vovó na cadeira se embalando
Preso aos dedos o rosário de capim
Vai rezando, cochilando, dormitando
Velhinha e cansada d'um viver sem fim

Na rede a um canto, a mucama entoa
Uma doce cantiga de ninar
A melodia terna no salão ressoa
Calma! Poesia, e a santa paz do lar

trecho da central da poesia


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A tarde morrendo, morrendo...
O céu se tinge em rubores
Num espetáculo estupendo!
Numa apoteose de cores!
Tudo é paz, tudo é silente
Cessando as lidas diurnas
Só se ouve tristemente
O pio das aves noturnas.




Nao destrua a Natureza
Precisamos dela para viver.
Se ela morrer morreremos também,
mais ela brotara novamente e nos
mortos ficaremos para sempre.


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Café no Bule.🍅
Aqui na roça a vida começa, assim  que o galo canta
 e depois de uma boa xicara de café.



Meia hora de roça resolve qualquer tristeza.
           Thimer

quarta-feira, 26 de outubro de 2016


O carro de boi cantando
o meu pai com seu peão,
- um na frente outro tocando,
cada um com seu ferrão.
O carro cheio de milho,
rasgando parte do trilho,
deixando marca no chão.

Em cima daquela carga,
um velho jacá vazio,
- sinal da batalha amarga,
em tantas noites de frio,
em tantos dias de sol,
em cada doce arrebol,
contornando aquele rio.

Chegando em casa bem tarde,
- o milho já nos porões,
mas o canto ainda arde
na cabeça dos peões.
Meu pai, “carreiro” da vida,
sabe a dor de uma subida
fazendo gemer canções.

No outro dia a vistoria
- ainda na madrugada
preparando a cantoria
para mais uma empreitada.
Checando em baixo, a emborgueira,
junto a ela a cantadeira
que vai dar o tom na estrada.

A junta de bois da guia,
- já presos ao cabeçalho,
mostrando que nasce o dia
pra arrancar do chão cascalho.
Ferrão de carrapateiro,
bem em riste o seu ponteiro
cutuca para o trabalho.

De novo meu pai na frente
desbravando a lama suja.
A boiada na corrente,
- sob a mira de Azambuja,
do trançado de taquara
cutucava com a vara
no “depenar da coruja”.

Nossa vida era uma escola
feita de sonho e canção,
em nosso peito ainda rola
a cantiga da emoção...
O velho carro de boi
- eu não sei pra onde foi,
questiona meu coraçao.

Dáguima Veronica de Oliveira.




Nunca devemos obrigar um cavalo a confiar em nós. A confiança é algo a ser conquistado e não demandado
Monty Roberts


terça-feira, 25 de outubro de 2016

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Uma vida feliz deve ser em grande parte uma vida tranquila, pois só numa atmosfera calma pode existir o verdadeiro prazer.



Se a minha simplicidade te incomoda, é porque você ainda não conheceu o Senhor Jesus!


Olha lá o meu pai, com as mãos calejadas
Perdendo seu resto de vida, no cabo da enxada
Eu não queria que fosse assim, pra mim seria tudo diferente
e que vale ter diploma, ter conforto ter de tudo
Se eu não posso ter em casa aquele que me pôs no mundo
Estudei por tantos anos, para tirá-lo daqui
Meu esforço foi en vão porque ele não quer ir

techo da musica Eu e meu pai
Cesar e Paulinho.

domingo, 23 de outubro de 2016



À sombra de um velho telheiro

E uns porcos vão engordando
No cercado do chiqueiro
Na roça a vida é tão boa!
Quanto sossego e fartura
Galinha, frango e leitoa
Milho verde, rapadura..



sábado, 22 de outubro de 2016


Olhe a sua volta, rodopie e veja que mundo 
belo é o mundo de sonhos. 
O mundo que dele faço parte e é parte de mim !



O segredo da felicidade é encontrar a nossa alegria na alegria dos outros.
Alexandre Herculano



A felicidade está no cantinho de cada olhar, e ninguém pode tirar isso de você.
Ivo Mozart



sexta-feira, 21 de outubro de 2016


Vida na Roça.
 É de manhã e o roçado está sorrindo 
Com o orvalho esbranquiçado que caiu... 
Por trás da serra vem o Sol já colorindo 
Enquanto a Lua do outro lado já partiu... 
eutimia encantadora a Natureza
 Dá ao camponês a paz de espírito e dá o pão... 
Pássaros voam piruetas com destreza... 
De uma nascente a água brota em profusão... 
A filharada inda com frio assiste a ordenha 
E, inconsciente, seu futuro ali desenha... 
A lida, a faina o destino dá de herança!
 Dedo na boca, pés descalços, mas felizes, 
Vão colorindo suas vidas com matizes, 
Que nunca mais se apagarão de suas lembranças...



 Na roça a vida é tão boa!
Quanto sossego e fartura
Galinha, frango e leitoa
Milho verde, rapadura...
 Até o frio lá na roça
Tem sua compensação
Em noites de geada grossa
Conversar ao pé do fogão
uma janta bem gostosa
Com virado de feijão
Linguiça frita e cheirosa
E um quartinho de leitão.
******************************
frases tirada da
Central da poesia






quarta-feira, 19 de outubro de 2016

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Surge o vento com um som esbelto
Roça minha garganta um suspiro selvagem
Enquanto a noite passa cortando o silêncio.
Traço alguns desejos que reluzem teus olhos
E então… outro suspiro.




segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Viver intensamente o presente, rir de tando chorar, amar a tudo e a todos sem preconceito, apreciar a natureza... Viva! A vida é única!



sábado, 15 de outubro de 2016


Desejo a todos os meus queridos amigos e familiares um final de semana abençoado por Deus!